A pedido de Dr. Jean Freire, ALMG homenageia o legado de Mark Gladston e Fernando Mota, músicos de Minas Novas, para a Cultura do Vale do Jequitinhonha 

A solicitação foi feita em decorrência do aniversário de 15 anos do falecimento dos dois artistas, ocorrido em 2006

“Vale do Jequitinhonha

veia que corre paixão. 

Vale que não é miséria. 

É talento, folia e canção.”

O Vale do Jequitinhonha é solo fértil que, irrigado pelo rio de mesmo nome, gerou e gera inúmeras riquezas: artesanato, canto, dança, teatro, poesia. Gente. Mark Gladston. Fernando Mota. 

O cantor, compositor e poeta, Mark Gladston, e o músico, luthier e pesquisador, Fernando Mota, são dois grandes nomes da cultura popular do Vale do Jequitinhonha, que tiveram sua memória e seu legado lembrados nesta terça-feira, 20 de outubro, durante reunião da Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). 

A reunião foi solicitada pelo segundo vice-presidente da Casa, deputado Dr. Jean Freire, em decorrência do aniversário de 15 anos do falecimento dos dois artistas. Eles morreram num acidente de carro na BR-116, no auge de suas carreiras, em outubro de 2006. 

O evento contou com a participação de membros das famílias de Mark e Fernando e do querido Rubinho do Vale, mais um grande artista da região. Em sua fala de abertura, Dr. Jean fez questão de ressaltar a importância do legado dos dois. “Homenageando-os, homenageamos todos. Eles deixaram um legado que nos dá energia e força para continuar nossa luta. São talentos que inspiram as novas gerações”, disse. 

Nascidos e criados em Minas Novas, uma das mais antigas cidades do Vale do Jequitinhonha, os dois artistas sempre tiveram contato com o congado, as festas de Nossa Senhora do Rosário, os “causos”, lendas, músicas e os símbolos característicos da região, como o Rio Fanado, que tem um valor histórico e cultural imensurável. 

Verono, como Mark Gladston era conhecido, nasceu em uma família de músicos. Dono de um timbre potente, diferenciado, começou a compor muito cedo. Tião, como Fernando foi carinhosamente apelidado, seguiu a trilha dos sons e das batidas do tambor de língua, instrumento que ele mesmo fabricava. 

Tiago Araújo, que estava presente no momento do acidente e sobreviveu à tragédia, participou da reunião e falou sobre a alegria de ter convivido com os outros dois artistas. “Eu tinha apenas 19 anos na época e, felizmente, pude fazer, junto com Mark e Tião, a coisa que eu mais gosto nessa vida: arte, música. Sou muito grato por tudo. A convivência com os dois foi muito rica de afeto e compartilhamento”, disse. 

O músico Rubinho do Vale, que estava na mesa, enfatizou a grandeza e a beleza das obras deixadas pelos artistas. “Quando a gente saúda esses dois artistas e seu legado, estamos saudando a cultura brasileira e mineira. Eles partiram de forma tão prematura, mas saudamos a vida e agradecemos pelo instrumento, a palavra, a música que nos deixaram”, afirmou. Rubinho também aproveitou a ocasião para falar sobre a importância de que os artistas estejam mais próximos do Poder Legislativo, contribuindo com a elaboração de políticas públicas que visem o fortalecimento da cultura mineira, sobretudo do Vale do Jequitinhonha, que, segundo ele, nem sempre é tratada da devida forma. 

Yani Mabel, irmã de Mark, ressaltou a importância do evento, principalmente no momento em que o setor cultural vem sendo constantemente atacado. “A arte e a cultura significavam muito mais que entretenimento e uma forma de ganhar a vida para Verono e Tião. Eles queriam proporcionar, por meio da arte, um mundo mais justo, mais fraterno e acolhedor. Penso que isso é de extrema importância para o nosso País atualmente. Precisamos da nossa cultura, do nosso artesanato, viola, ciranda, congado, mais do que nunca. O Vale é uma região muito rica e potente”, disse. 

Para Flávia Mota, irmã de Fernando, “os meninos (Mark e Fernando) representavam o amor à Minas Novas, às raízes, ao tambor e a tudo que a cidade representava na vida deles”, disse. Dona Vani, tia de Tião, falou, emocionada, sobre a relação que tinha com o sobrinho. “Tião foi um presente de Deus, uma luz que brilhava em minha casa, companheiro de todas as horas. Ele me acompanhava o tempo todo dentro de casa. Tião era bagunceiro, mas tinha um coração como nunca conheci. Era único”, afirmou. 

A audiência foi marcada por muita música ao vivo, poesia e outros depoimentos emocionados. Ao final da reunião, os familiares receberam uma lembrança das mãos do deputado Dr. Jean Freire, para marcar a realização do evento e os presentes entoaram a canção “Jequitivale”, eternizada na voz de Verono, como forma de homenagear os músicos. Além dos já citados, outros familiares dos artistas também estiveram presentes, como José Pinheiro Torres Neto, representando a família de Fernando Mota Tião; Manoel Mendes Jardim, que compôs a mesa, representando a família de Mark Gladston, além da mãe do artista, que estava na plateia. 

Assessoria de Comunicação com informações da Assembleia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s